Intimidade violada. Lívia era observada e tocada pelo irmão após tomar banho

Home / Intimidade violada. Lívia era observada e tocada pelo irmão após tomar banho

Foi em uma roda de conversa e brincadeira que Lívia*, aos 5 anos, revelou para a psicóloga que a atendia, os momentos de abuso vividos com o irmão mais velho, de 9 anos. Tímida e arredia, a menina permanecia calada em várias atividades propostas pela organização social da qual fazia parte. Sem entender, ela se sentia triste e invadida, com o jeito que o irmão a olhava e tocava. Os abusos a incomodavam muito.

“Percebi que tinha alguma coisa estranha. Depois de outras vezes que a gente foi fazendo a atividade, ela compartilhou que o irmão entrava no quarto dela, quando ela voltava do banho”, conta Patrícia*, psicóloga da organização.

A mãe e o pai não sabiam de nada e, inocente, Lívia viveu momentos de medo, dor e constrangimento também com a mãe. Frequentemente, a ela usava da violência física e psicológica para criar os filhos. Agressiva, brigava muito com a menina, a ponto de bater e puxar o seu cabelo.

“Uma vez, a Lívia veio de trança no cabelo e uma criança, por brincadeira, pegou um chiclete e colou na trança dela. A menina teve uma crise de choro e não queria ir embora, com medo da mãe e dizendo: ‘a minha mãe vai me bater tanto tia”, lembra a psicóloga.

A sua pureza de criança era cada dia mais exposta, em meio a tantas violações. Lívia, não via maldade nas atitudes do irmão. Mas foi com a orientação e o apoio da organização, que a garota percebeu que alguns segredos não podem ser guardados, e descobriu o verdadeiro significado da palavra limite.

“Ela compartilhou que o irmão fazia isso com frequência, entrava no quarto, depois que ela tomava banho, e fechava a porta. Só que ela não conseguia falar o que ele fazia. Inicialmente, ela falava que ele a olhava trocar de roupa. E me disse assim ‘tia, quando eu descobri que não podia guardar esse tipo de segredo e ele tentou fazer isso de novo, eu gritei tanto e chamei a minha mãe’”, relata Patrícia.

“Falamos muito para as crianças sobre segredos, e como nosso corpo pode receber um carinho e não ficarmos feliz com isso. Às vezes, só um abraço, deixa a criança incomodada, então, explicamos que elas vão passar por isso em outras situações e como devem lidar”, completa.

Finalmente, Lívia conseguiu se libertar e falar sobre a angústia que passava ao lado do menino. Foi então que contou para a mãe que o irmão entrava em seu quarto e mexia em suas partes íntimas. Desesperada, a mãe de Lívia conversou com o filho e entregou uma chave do quarto para a menina, proibindo o contato entre os dois e preservando a privacidade da filha. Sem saber como agir depois da revelação, a mãe de Lívia procurou ajuda na organização.

“Encaminhamos os dois para o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), pois ele também era uma criança.  Eles tiveram acompanhamento do Conselho Tutelar e do CRAS da cidade e, depois, envolvemos o menino aqui nas oficinas”, declara a psicóloga.

“Percebemos que ele fazia aquilo, porque tinha visto em algum lugar. Então, ele era outra criança violada” explica.

Após alguns meses, Lívia, o irmão e a mãe passaram a participar das atividades e formações socioeducativas realizadas na organização.

“Pelo o que identifiquei, o irmão estava muito sexualizado. Ele via na escola com os colegas, vídeos e filmes no celular, e até já tinha ouvido os pais durante as relações. Então, fizemos um trabalho de orientação com os pais”, conta Patrícia.

Foi a partir daí que uma nova história começou a ser escrita para a menina que, antes, não sabia a força e confiança que existia dentro de si. Lívia passou a brincar mais, fazer ballet e a ter voz ativa entre os coleguinhas.

“Ela está no balé agora. A professora me contou que a autoestima dela melhorou demais. Uma criança que tem uma autoestima fortalecida, dificilmente, vai ouvir qualquer conversa, de qualquer pessoa. Consegui perceber isso muito nela, a mudança de confiança que ela teve”, finaliza.

Segundo dados de 2017 do Disque 100, a maior parte dos casos de violência sexual contra crianças e adolescentes acontecem na casa da vítima. Abuso sexual é crime, se souber de algo, denuncie!

* Nomes e imagens alterados para preservar as identidades dos envolvidos.

Todos os dias, cerca de 40 crianças são vítimas de abuso sexual no Brasil. Mas nem todas dão andamento nos casos. Todos somos responsáveis por mudar este cenário. Abuso sexual é crime, se souber de algo, denuncie!

Clique aqui e ajude a transformar a história de uma criança agora!

Conheça mais histórias