Abuso sexual não tem gênero. Conheça a história de Felipe

Home / Abuso sexual não tem gênero. Conheça a história de Felipe

Felipe, de 12 anos, aparenta ser um jovem tímido e retraído, que não costuma conversar muito sobre sua rotina em casa. Na escola, busca participar de todas as atividades, mas sempre que envolvem assuntos pessoais, ele tenta mudar o foco ou até responder de maneira agressiva. Chegou a ser considerado por diversos alunos como, um ‘menino ogro’. No entanto, o que eles não sabiam era o que acontecia quando Felipe não estava nas salas de aula.

Como estudava de manhã, passava a tarde em casa. Tinha o costume de fazer as lições de casa e depois ir para a sala assistir televisão — uma rotina considerada normal para diversos adolescentes, a não ser pelo fato que, diariamente, sofria violações de sua mãe.

Seu pai trabalhava como cozinheiro em um restaurante e precisava passar o dia e, às vezes, o fim de semana fora de casa. Quando o final das aulas se aproximavam, Felipe ficava ansioso e angustiado, sem saber exatamente o porquê. Mantinha um segredo com sua mãe, que até então era considerado um pacto de confiança entre os dois.

Para Felipe, revelar o que acontecia quando seu pai saía, seria uma traição a própria mãe e, pior ainda, poderia ser um motivo de vergonha para o pai e a família. Sabia que tinha algo errado, mas como desconfiar de quem deveria protegê-lo?

Enfim a sexta-feira chegou. Seu pai preparava as coisas pois precisava sair às 9h para chegar às 10h no trabalho. A essa hora, Felipe estava na escola, só retornaria para casa por volta das 13h.

Como uma sexta-feira normal, o jovem chegou em casa e sua mãe o esperava para assistir um filme especial, o que faziam todas as semanas para comemorar a sexta. No meio do filme, o segredo entre os dois se perpetuavam e ali, Felipe sofria abusos sexuais, com o pretexto de que era apenas uma brincadeira entre os dois. O pequeno sabia que algo estava errado, mas não conseguia entender o porquê.

Até que um dia, na escola, os professores resolveram fazer uma gincana sobre direitos e deveres, a fim de estimular a temática para os alunos. Felipe foi sorteado para falar sobre violações de direitos, entre elas, a violência sexual, o que o incomodava extremamente. Com a brincadeira, Felipe pôde entender o que acontecia em casa e resolveu conversar com sua professora a respeito.

Ela não entendia porque sempre que tocava no assunto, Felipe ficava violento e se isolava. Após a conversa, pôde compreender a dor do aluno, que com pequenos sinais, demonstrava, todos os dias, a violência que sofria em casa.

Ao ouvir o relato, a professora imediatamente acionou a diretoria para que dessem andamento no caso e interrompessem a violação. Felipe confessou que tinha medo de magoar os seus pais e que em nenhum momento os abusos eram ruins fisicamente, confessou que, algumas vezes, era possível até sentir prazer, embora soubesse que a situação não estava certa. Ao entender que mesmo assim se tratava de uma coisa muito séria e que o colocava em risco, Felipe sabia que contar o acontecido para o pai era a coisa certa a se fazer.

Ao chegar em casa, decidido a conversar com seu pai, Felipe tentava encontrar uma maneira de contar o que passara por tanto tempo. Até que, sem delongas, resolveu falar. Sem reação, o pai de Felipe não conseguiu acreditar no que estava acontecendo. Para ele, era impossível que a mãe — pessoa que mais amava Felipe — poderia cometer tamanha atrocidade.

Envergonhado pela situação Felipe pediu para conversar com a professora novamente no dia seguinte, que logo solicitou para a diretoria a presença do responsável.

A essa altura, Felipe já sentia uma imensa tristeza, por tudo o que passou e por ver que magoou o pai, que após conversar com a professora, saiu convencido a proteger o filho. Felipe presenciou a separação dos pais e acreditava que a culpa por tudo o que estava acontecendo era dele.

Mas com muito apoio, resolveu, em conjunto com o pai, dar andamento no caso. Atualmente, Felipe passa por acompanhamento psicológico, a fim de tratar a depressão que desenvolveu, e o caso segue em apuração.

Os abusos duraram dois meses, mas Felipe carregará suas consequências para a vida toda. Sabe que ‘passo a passo’ pode ser feliz novamente, enquanto seu pai, tenta absorver todo o ocorrido, sem entender como um adulto, responsável pela plena proteção de uma criança, pôde cometer um crime assim contra o próprio filho.

*Nomes e imagens alterados para preservar as identidades dos envolvidos.

Todos os dias, cerca de 40 crianças são vítimas de abuso sexual no Brasil. Mas nem todas dão andamento nos casos. Todos somos responsáveis por mudar este cenário. Abuso sexual é crime, se souber de algo, denuncie!

Clique aqui e ajude a transformar a história de uma criança agora!

Conheça mais histórias